Saída de secretário que furou fila é impraticável, diz prefeitura de Mogi

A prefeitura de Mogi das Cruzes (SP) afirmou nesta segunda-feira (29) que considera “impraticável” a exoneração de seu secretário de saúde, Henrique Naufel, por furar a fila para ser vacinado contra a covid-19.

Antes disso, o Ministério Público de São Paulo havia recomendado a demissão de Naufel à prefeitura.

Em nota, a administração do município do Alto Tietê disse que não discutirá esse mérito por se tratar de uma questão jurídica.

“Seria uma irresponsabilidade exonerar o secretário municipal de Saúde durante o pior momento da pandemia”, escreveu a gestão de Caio Cunha (Podemos).

Em 8 de março, o MP-SP recomendou a exoneração de Henrique Naufel do seu cargo de secretário de saúde em Mogi das Cruzes, por suposta irregularidade na fila de vacinação contra o novo coronavírus. Segundo o órgão, Naufel teria se vacinado no primeiro dia de campanha mesmo não fazendo parte do grupo prioritário de imunização.

Depois da ação do Ministério Público, foi proposto um ANPC (Acordo de Não Persecução Cível) ao secretário, com propostas de exoneração do cargo e pagamento de multa. Como o acordo não foi aceito, a exoneração de Naufel foi recomendada ao prefeito com prazo de 30 dias.

O MP diz ainda que, caso a recomendação não seja acatada, o prefeito Caio Cunha também poderá eventualmente responder por improbidade administrativa.

Fonte noticias.r7.com/saude