Covid-19: semana terá vacinação para pessoas de 28 e 29 anos em SP

A vacinação contra a covid-19 avança na cidade de São Paulo (SP) e, nesta semana, alcançará com a primeira dose as pessoas de 28 e 29 anos.

Antes, na segunda-feira (26), haverá a repescagem para as faixas etárias entre 30 e 34 anos e para os públicos elegíveis para a segunda dose.

Na terça (27) e na quarta (28), a imunização será voltada para a população de 29 anos de idade. Já na quinta (29) e na sexta (30), a prefeitura aplicará a primeira dose nas pessoas de 28 anos.

Para se vacinar, é necessário apresentar nos postos de saúde um comprovante de residência na capital paulista e documentos pessoais, preferencialmente CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) e cartão do SUS (Sistema Único de Saúde).

A prefeitura de São Paulo orienta que a população faça um pré-cadastro no site Vacina Já, do governo do estado, pois isso pode agilizar o tempo de atendimento nos postos. O calendário de imunização na capital paulista, bem como os públicos elegíveis e a lista de postos abertos podem ser consultados no Vacina Sampa.

Fonte noticias.r7.com/saude

Governo proíbe exportação de agulhas, seringas e diluentes

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluiu agulhas, seringas e diluentes na lista de produtos cuja exportação está proibida em razão da crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus. A alteração ocorreu por meio de edição do decreto que regulamenta a Lei nº 13.993, sancionada em abril de 2020. O texto concede ao Executivo prerrogativa de impedir venda de itens médicos, hospitalares e de higiene essencial em benefício de política de combate à disseminação da covid-19.

O Planalto informou, por meio da Secretaria Especial de Comunicação da Presidência da República (Secom), que autoridades de saúde requisitaram a inclusão dos materiais em questão no rol de produtos proibidos de serem comercializados com o exterior por serem necessários ao cumprimento das etapas do Plano Nacional de Vacinação.

“O decreto se alinha às regras e princípios constitucionais ligados à proteção da saúde como direito fundamental ao adotar medida para a preservação da saúde da população brasileira e garantir a atuação do Poder Público no combate à pandemia de covid-19 no país”, disse o órgão em nota.

Fonte noticias.r7.com/saude

Médica é exonerada por suspeita de desvio de vacina contra covid-19

Uma profissional de saúde de Roraima foi exonerada do cargo por suspeita de envolvimento em desvio de vacinas da Operação Acolhida, que atende migrantes e refugiados venezuelanos no Brasil, para imunização de membros do Poder Judiciário. A suspeita aponta que a vacinação irregular ocorreu nos dias 12 e 13 de julho.

A servidora Mariângela Nasário Andrade foi exonerada do cargo de coordenadora do Centro Médico e de Qualidade de Vida do TJ-RR (Tribunal de Justiça de Roraima) pelo presidente da instituição, magistrado Cristovão José Suter, segundo publicação do Diário Oficial da Justiça de 14 de julho.

A médica é servidora da Sesau (Secretaria Estadual de Saúde), mas estava lotada no TJ- RR enquanto também fazia parte do projeto de acolhimento aos migrantes do Exército Brasileiro. A suspeita de desvio de vacinas foi levantada por meio de denúncia apontada pelo jornalista Sérgio Ramalho, do Intercept Brasil e foi corroborada pelo senador Telmário Mota (PROS-RR). O Tribunal de Justiça de Roraima confirmou que tomou conhecimento de “possíveis ações” irregulares nas suas dependências e que tomou medidas para “a sua imediata interrupção”.

O TJ-RR afirma que verificou inicialmente que “tais ações teriam sido desenvolvidas por iniciativa própria da médica Mariângela Nasário Andrade (…) em desrespeito à legislação vigente e determinações e orientações deste Tribunal” e reforçou que “a servidora foi imediatamente exonerada do cargo que ocupava, conforme Portaria nº 841, publicada no DJE 69550, deixando de possuir qualquer vínculo com este Tribunal”.

Em nota oficial, a AMARR (Associação dos Magistrados de Roraima) negou envolvimento na denúncia e reforçou que nos dias dos fatos (12 e 13 de julho), a vacinação na capital compreendia as pessoas entre 26 a 31 anos de idade, sem comorbidades, portanto, de faixa etária inferior ao juiz mais jovem da justiça estadual, que possui 32 anos.

A suspeita da irregularidade foi relatada a Corregedoria-Geral de Justiça. Sobre o assunto, o MPF de Roraima relatou que recebeu informações de suposta irregularidade de aplicação de vacinas no Tribunal de Justiça de Roraima e que foi instaurado procedimento para análise dos fatos relatados.

A Operação Acolhida informou ao Estadão que, antes de se manifestar, era necessário entrar em contato com a Casa Civil. A reportagem acionou a pasta e ainda aguarda retorno. A servidora também não respondeu ao contato feito pela reportagem.

Leia a íntegra da nota do governo do estado de Roraima

“A Secretaria de Saúde informa que a médica Mariângela Nasário Andrade está cedida para o Ministério Público do Estado de Roraima. No Diário da Justiça Eletrônico foi publicado o desligamento da servidora do cargo comissionado que ocupava na estrutura do MP.

Porém, ela ainda está cedida, e para que retorne as funções na Sesau, é necessário que o Ministério Público envie ofício informando a devolução da servidora para a Pasta de origem.

Reforça que cabe a Justiça averiguar se a profissional está realmente envolvida no esquema de desvio de vacinas e aplicar a devida penalidade. Somente após essa decisão a Sesau irá se manifestar em relação à situação administrativa da servidora.”

Fonte noticias.r7.com/saude

Fiocruz vai estudar efetividade da vacinação no Complexo da Maré

A Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz) vai fazer um estudo inédito sobre a efetividade da vacinação no Complexo da Maré, maior conjunto de favelas do Rio de Janeiro, onde habitam cerca de 140 mil pessoas. Além da eficácia da campanha de imunização, os pesquisadores vão analisar aspectos da covid-1, como dinâmica de transmissão do vírus no território, a vigilância das variantes e acompanhamento de possíveis efeitos adversos das vacinas. 

O pesquisador Fernando Bozza, coordenador da pesquisa, explica que é uma pesquisa diferente das feitas nas cidades de Botucatu e Serrana, em São Paulo; e na Ilha de Paquetá, também na capital carioca. 

“Olhar o impacto da vacinação numa grande comunidade já seria algo inédito. Agora pensar que isso será realizado na Maré, que tem dimensão populacional superior a 96% dos municípios do país, é algo único, que nos permitirá um mapeamento com características singulares”, explicou Bozza. 

O estudo está embasado em duas ações: vacinação e testagem em massa. De 29 de julho a 1º de agosto, toda a população adulta jovem, a partir dos 18 anos, será vacinada pelo menos com a primeira dose da vacina AstraZeneca. A meta é antecipar a vacinação de 31 mil pessoas, que junto com as demais faixas etárias que já haviam sido contempladas pelo calendário do município, passam a ser monitoradas pelos grupos de pesquisa.

Para avaliar a e efetividade da vacina, serão analisados os critérios: idade, sexo, tipo de vacina  ministrada, tempo de infecção após a vacinação, tempo até a segunda dose, ocorrência de casos graves e prevenção de óbitos. 

A partir da vacinação, os testes começarão a ser feitos. Crianças e adolescentes, que não estão no público-alvo da vacinação, também serão acompanhados. “Um dos objetivos do estudo é entender a dinâmica da transmissão e a proteção indireta que esse grupo pode adquirir uma vez que a família esteja imunizada. Queremos entender se a vacinação em massa da população adulta inibe a circulação do vírus de forma a proteger também as crianças e os adolescentes”, explica o pesquisador da Fiocruz. 

Os exames serão feitos em duas linhas de atuação. A primeira será na identificação de casos sintomáticos que serão submetidos ao teste de PCR, após os moradores informarem presença de sintomas da covid-19. Além disso, as equipes do estudo acompanharão as atividades das UBS (Unidades Básicas de Saúde) para orientar a realização do teste molecular dentro da janela de sete dias desde o início dos sintomas.

Os resultados serão cruzados com o monitoramento da situação vacinal e o desfecho do quadro, com sua classificação final de gravidade. Assim, os pesquisadores conseguirão calcular a proteção que a vacina está conferindo à população. Os resultados positivos serão encaminhados para sequenciamento genético, a fim de identificar possíveis variantes do vírus e colaborar na vigilância genômica da região.

A segunda linha de atuação será a análise de 2 mil famílias residentes na Maré, mobilizando, cerca de 8 mil pessoas, que serão acompanhados por seis meses. Na ação, será realizada a avaliação de soroprevalência, proporção de vacinados e ocorrência de casos, com o intuito de mapear a transmissão do vírus no ambiente familiar.

A análise incluirá também os membros que não são público-alvo da vacinação: “É nesta etapa que conseguiremos levantar os dados para responder a questão se ao vacinar os adultos, também protejo as crianças?”, explicou o Bozza. 

A pesquisa está sendo feita com o apoio da ONG Redes da Maré, instituição com mais de 20 anos de atuação na comunidade, e da Secretaria Municipal do Rio de Janeiro. 

Fonte noticias.r7.com/saude

Prefeitura tenta derrubar decisão que a obriga dar 3ª dose a idoso

A Prefeitura de Guaxupé, a 330 km de Belo Horizonte, e o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) recorreram da decisão judicial que obriga o município a aplicar uma terceira dose de vacina contra a covid-19 em um idoso de 75 anos.

A Procuradoria do Município avaliou que a ordem contraria os princípios da impessoalidade e isonomia. 

Ao contestar a decisão, a prefeitura ressaltar que a vacina ainda é excassa no país e que a aplicação deve seguir as orientações do PNI (Plano Nacional de Imunização), que prevê o uso máximo de duas doses atualmente.

O documento ainda reforça o fato de o morador “já ter sido imunizado com duas doses de vacina, com comprovação científica de sua eficácia, não parecendo plausível que queira, simplesmente, preterir o direito de todos os outros cidadãos que pacientemente aguardam na fila da vacinação há meses”.

O MPMG, que também questionou a decisão do juiz Milton Furquim, avaliou que a concessão do reforço extra “têm potencial para provocar grave repercussão para a saúde pública no cumprimento do Plano Nacional de Imunização, o qual estabelece os critérios dos grupos prioritários para vacinação”.

O pedido

O idoso de 75 anos acionou a Justiça após fazer um exame sorológico que identificou menos de 20% de anticorpos contra o CoronaVírus quarenta dias após tomar a segunda dose da vacina, no dia 19 de abril. O homem tem hipertensão e cardiopatia.

Parecereces da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e da SBI (Sociedade Brasileira de Imunizações) indicam que nem sempre o exame de sorologia é eficaz para indicar a eficência da vacina contra a covid-19. Segundo os órgãos, ainda não há estudos conclusivos sobre o percentual de anticorpos neutralizantes necessário para garantir a proteção.

Uma nota técnica da SIB, publicada no dia 26 de março, destaca que “os estudos de avaliação de eficácia vacinal baseados em testes sorológicos têm demonstrado grandes variações em diferentes cenários epidemiológicos frente às diferentes vacinas, complicando ainda mais a interpretação dos resultados de mensuração de anticorpos neutralizantes”.

Fonte noticias.r7.com/saude

Coronavac produz 10 vezes menos anticorpos que vacina da Pfizer

Um estudo feito em Hong Kong, com mais de 1,4 mil pacientes e publicado na revista The Lancet Microbe no último dia 15 de julho, concluiu que a CoronaVac induz a produção de uma quantidade de anticorpos contra a covid-19 até 10 vezes menor do que a vacina da Pfizer/BioNTech.

Leia também: Estudos ajudam a entender impacto do coronavírus no cérebro

Ao divulgar o resultado, o jornal francês Le Monde relembrou que diversos países que utilizaram de maneira massiva a CoronaVac para imunizar suas populações registraram novas ondas de contaminação. Mesmo assim, a vacinação se mostrou eficaz na prevenção de formas graves de covid-19.

O estudo, que comparou as duas vacinas que estão disponíveis no país, foi realizado por pesquisadores da Universidade de Hong Kong em 1.442 profissionais de saúde que receberam duas doses de imunizantes.

O artigo especifica que a quantidade de anticorpos não permite avaliar o nível de imunidade conferido por uma vacina, mas que “as diferenças nas concentrações de anticorpos neutralizantes identificados em nosso estudo poderiam resultar em diferenças substanciais na eficácia da vacina”.

Os pesquisadores também afirmam que os pacientes que receberam doses da CoronaVac apresentaram níveis de anticorpos similares aos de pacientes que contraíram covid-19 e se curaram.

Os resultados fortalecem as evidências que mostram que as vacinas de RNA-mensageiro exibem uma eficácia maior do que as feitas com tecnologias tradicionais, com vírus inativados. Essas últimas, no entanto, não necessitam de armazenamento em temperaturas abaixo de -70°C, o que dificulta sua distribuição para muitos países.

Entre os países que tiveram novas ondas de contaminação mesmo com uma alta taxa de vacinação entre os habitantes estão os Emirados Árabes, as Ilhas Seychelles, a Mongólia, o Chile e o Uruguai. Todos esses vacinaram suas populações com a CoronaVac e a vacina da Sinopharm, ambas desenvolvidas na China com tecnologia de vírus inativado.

No entanto, é importante ressaltar que o maior número de casos graves e mortes, na maior parte dos países, vem sendo registrado entre pessoas que não receberam nenhuma dose de vacinas.

Fonte noticias.r7.com/saude

Inglaterra retira quase todas as restrições sanitárias nesta segunda

A Inglaterra retira, nesta segunda-feira (19), quase todas as restrições ligadas à pandemia, em um dia batizado de “Freedom Day” – e apesar do aumento do número de infectados, o que preocupa cientistas e políticos.

A partir da meia-noite local, os estabelecimentos comerciais e estádios podem voltar a funcionar com capacidade máxima, as casas noturnas podem receber mais pessoas, os pubs podem retomar o serviço de bar, e não há mais limite no número de pessoas que podem se reunir, em um movimento que dá um passo para a volta da “normalidade” pós-pandemia.

A partir desta segunda-feira, o uso da máscara também deixa de ser obrigatório na Inglaterra, mas seu uso continua a ser recomendado nos meios de transportes e lojas. O trabalho remoto deixa de ser a norma.

Fonte noticias.r7.com/saude

França libera entrada de turistas brasileiros totalmente vacinados

Resumindo a Notícia

A França anunciou neste sábado (17) que viajantes com imunização completa contra a covid-19 poderão entrar no país seja qual for sua procedência a partir deste domingo (18). Com isso, brasileiros também poderão entrar em terras francesas.

No entanto, a medida vale apenas para quem foi imunizado com uma das vacinas reconhecidas pela Agência Europeia de Medicamentos, ou seja, Pfizer, Moderna, AstraZeneca ou Janssen. Apesar de aprovadas pela OMS, as chinesas Sinopharm e Sinovac não são aceitas pelo país, o que afeta os brasileiros imunizados com a CoronaVac, a versão da Sinovac produzida pelo Instituto Butantan. A vacina russa Sputnik V, que não é validada pela União Europeia ou pela OMS, também não é aceita.

“Ao mesmo tempo e porque as vacinas são eficazes contra o vírus, especialmente sobre a variante Delta, as restrições que pesam sobre os viajantes já vacinados totalmente com uma vacina reconhecida pela Agência Europeia de Medicamentos (Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen) serão levantadas a partir deste sábado, 17 de julho, seja qual for seu país de procedência”, informa o comunicado do primeiro-ministro Jean Castex.

A França vai exigir um teste negativo de covid-19 de menos de 24 horas a todos os viajantes procedentes de alguns países europeus, entre eles Espanha. A medida, que afeta os cidadãos que não estão vacinados, afeta todas as pessoas procedentes do Reino Unido, Espanha, Portugal, Chipre, Grécia e Holanda.

Até agora, os viajantes do Reino Unido tinham que apresentar um teste negativo de um máximo de 48 horas e os dos países europeus de até 72 horas.

Além disso, o ministério também confirmou que a lista “vermelha” de países se amplia e passa a incluir, a partir de agora, Cuba, Indonésia, Tunísia e Moçambique.

Os viajantes procedentes desses países devem ter um motivo de peso para justificar o deslocamento e, mesmo se estiverem vacinados, devem realizar uma quarentena de sete dias ao chegarem.

Os novos casos de covid-19 seguem aumentando na França e já superaram os 10 mil por dia, embora as internações nos hospitais não tenham aumentado, segundo os dados oficiais do governo.

Fonte noticias.r7.com/saude

São Paulo vacina quem tem 31 anos na quinta (22) e 30 na sexta (23)

A cidade de São Paulo vai vacinar pessoas de 31 anos na próxima quinta-feira e de 30 anos na próxima sexta (23), informou a SMS (Secretaria Municipal de Saúde) nesta sexta-feira (16). O público estimado, dos dois grupos, é de 305 mil pessoas. No sábado (24), haverá a repescagem para as pessoas de 30 a 34 anos. 

Ao longo da semana, serão vacinadas também pessoas de 34 anos na segunda (19), 33 na terça (20) e 32 na quarta (21). 

Para se vacinar na cidade de São Paulo, é obrigatória a apresentação de comprovante de residência (físico ou digital) e documentos pessoais – de preferência CPF e cartão do SUS.

Se o comprovante de residência não tiver o nome do munícipe, será aceita comprovação em nome do cônjuge, companheiro, pais e filhos, desde que apresentado também um documento que comprove o parentesco ou estado civil.

A prefeitura orienta que seja feito um pré-cadastro no site Vacina Já para agilizar o tempo de atendimento nos postos. O calendário atualizado de vacinação na capital, os públicos elegíveis e a lista completa de postos abertos podem ser consultadas no site Vacina Sampa.

Fonte noticias.r7.com/saude

Transmissão da covid-19 em BH chega ao maior valor desde maio

A taxa de transmissão da covid-19 em Belo Horizonte alcançou, nesta quinta-feira (15), o maior valor desde o dia 28 de maio.

Nas últimas 24 horas, o índice passou de 1,01 para 1,03, ainda no nível amarelo. Desde o dia 1º de julho, a taxa já cresceu 5%. No momento, o índice aponta que um grupo de 100 pessoas é capaz de infectar outras 103 pessoas, indicando um aumento na disseminação do vírus na capital mineira.

A ocupação dos leitos intensivos passou de 63,2% para 62,4%, o que significa que 302 dos 804 quartos de UTI da capital mineira estão livres. Já a ocupação dos leitos simples subiu de 53,6% para 54,1%, ou seja, 801 quartos de enfermaria estão ocupados e 679 estão livres neste momento.

Veja: Moradores com 41 anos serão vacinados em BH na sexta (16)

Nas últimas 24 horas, Belo Horizonte registrou 12 óbitos e 872 testes positivos para a covid-19. A capital mineira já registrou, desde o início da pandemia, 6.013 mortes e 248.971 casos confirmados da doença, além de 237.989 curados e 4.969 pacientes em acompanhamento.

Até esta quinta-feira (13), a capital mineira já havia recebido 2.212.687 vacinas contra a covid-19, tendo aplicado mais de 1,7 milhão delas. Dos mais de 2,5 milhões de habitantes da capital mineira, quase 51% receberam a primeira dose e 19,4% estão totalmente imunizados.

*​Estagiário do R7 sob a supervisão de Flavia Martins y Miguel.

Fonte noticias.r7.com/saude