6 Dicas para melhorar a habilidade de leitura no inglês

6 Dicas para melhorar a habilidade de leitura no inglês

Ler em um idioma diferente do idioma nativo pode ser uma tarefa assustadora. Por exemplo, quando nos deparamos quando entramos em um Curso de Inglês, muitas vezes sentimos falta de conhecimento para compreender o todo, mesmo que se tenha conseguido compreender várias partes.

Para quem está aprendendo e aprimorando essa habilidade, esse é um problema recorrente, principalmente para quem precisa do idioma para um propósito específico, como obter uma boa pontuação em um teste de proficiência.

Para evitar isso, existem algumas dicas e truques que são úteis durante a leitura e ajudam a melhorar a fluência da tarefa – não importa que tipo de texto se pretenda explorar.

1. Comece devagar e saiba qual é o seu nível

O primeiro passo quando se entra em um Curso de Inglês Online é entender o quão bem você conhece o idioma: se você é iniciante, básico, intermediário, avançado ou fluente. Isso depende de muitos fatores, principalmente do seu nível de contato com o inglês. Quando percebemos isso, é mais fácil reduzir a pressa e começar devagar. Por exemplo, ao pesquisar notícias na Internet, sempre priorize as notícias mais próximas do seu nível. Ou que tal reler uma história infantil que você já conhece, mas desta vez em inglês

Portanto, a assimilação da mensagem pode ser desenvolvida por comparação com o conteúdo conhecido do assunto. Anexar um dicionário ou aplicativo móvel também é útil para ajudar a colocar palavras desconhecidas no contexto e evitar desistir quando elas bagunçarem palavras ou expressões desconhecidas. À medida que a leitura avança, esta situação torna-se mais natural, por isso a compreensão é necessária para poder compreender o texto.

2. Anote tudo!

Ler é um processo positivo para desenvolver um hábito, você deve treinar os pontos mais difíceis. No exercício de leitura, escreva as palavras que deseja entender seus significados, frases desconhecidas repetidas com frequência, novo vocabulário, tópicos que deseja aprofundar e as outras dificuldades que encontrar dentro do processo. Isso estimula o contato ampliado com o idioma, fortalece o aprendizado, reflete nas habilidades gramaticais e ajuda a um progresso mais rápido, pois as notas serão gravadas para consulta futura, não havendo necessidade de “começar do zero” sobre o mesmo assunto todas as vezes que você leia o texto.

3. Dicionário 

Embora os dicionários bilíngues sejam um bom aliado quando as palavras não fazem muito sentido, não dependa apenas de quem traduz para você. Sempre que possível, escolha dicionários monolíngues e incentive o uso de frases de exemplo para entender o contexto. Além de descobrir o significado do termo buscado, também retiveram outros ensinamentos, como sinônimos e conjugação.

4. Pratique a leitura 

Nossa leitura varia dependendo do tipo de texto ao qual somos expostos. Alguns requerem mais profundidade, como livros acadêmicos. Outros exigem mais vitalidade, como as notícias do dia a dia. Em outras palavras, treine diferentes “modalidades”. Livre-se das coisas mais tradicionais e não se esqueça das letras, legendas de filmes, seriados e quadrinhos. Este exercício nos ensina velocidade, raciocínio lógico e consciência espacial.

5. Utilize técnicas de leitura 

Existem algumas maneiras de tornar a leitura mais fluente e compreender os principais pontos do texto em apenas alguns segundos. Uma dessas técnicas é o escaneamento, que envolve “escanear” o texto para obter uma ideia aproximada do que ele está dizendo e quais são as principais ideias que revela. Há também o skimming, que visa os pontos do material da leitura e identificar as devidas informações específicas encontradas dentro do texto. Os dois não apenas ajudam a melhorar a habilidade de leitura em inglês, mas também ajudam a melhorar o entendimento geral do inglês, e reduzem a dor de não entender 100% das palavras usadas no material.

6. Leve o aprendizado para o dia-a-dia

Ao ler em inglês, comece a prestar mais atenção ao que aprendeu. Observe como essas palavras ou expressões aparecem em diferentes contextos e tente traçar a relação entre seu significado e como são usadas no conteúdo. Com isso, quando você perceber que pode se lembrar sem consultar um dicionário, seu processo evolutivo se tornará mais óbvio.

Você sabe quando está interessado em algo e começa a prestar mais atenção em qualquer lugar? Inglês é o mesmo! Por exemplo, uma das coisas mais legais é pegar um novo livro e então perceber que você pode entendê-lo porque aprendeu aquela frase ou palavra específica no livro anterior. Quanto mais você lê, melhor desenvolve as habilidades. Faça tudo dentro do seu tempo e lembre-se sempre que os resultados não serão do dia para a noite.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Certificado Cursos Online, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre cursos, educação e diversos segmentos.

Como combinar cores de sombras em sua maquiagem?

  • É muito comum quando as mulheres veem um conjunto de sombras coloridas, elas enlouquecem, e muitas pensam: “Como vou combinar todas essas cores na minha maquiagem?” e, consequentemente, elas desistiram de garantir a compra. Porém, fique tranquila, neste artigo queremos lhe ajudar a como combinar as cores das sombras, mas se você ainda não tem tanta noção de maquiagem, indicamos que você faça um Curso de Maquiagem Online para aprender mais sobre o assunto.

Combinar as cores da paleta de sombras não é tão difícil quanto você imagina. Através do Curso Online de maquiagem do Certificado Cursos Online, a maquiadora e especialista Camila Souza revela diversas dicas infalíveis para combinar as cores das suas sombras.

Qual mulher que não gosta de fazer uma maquiagem perfeita para os olhos?

Podemos destacar que em qualquer ocasião, os olhos sempre serão o ponto ideal para a perfeição e para a beleza da mulher. Há diferentes técnicas, como, por exemplo, o Cut Crease, mas algumas mulheres ainda continuam tendo uma grande dúvida sobre como combinar as cores das sombras?

Realce suas cores

Uma dica infalível na hora de escolher uma cor de sombra é combinar com sua íris. Mulheres com os olhos castanhos podem optar por cores marrons, as mulheres de olhos azuis, vale apostar em um azul esfumado e para quem tem olhos verdes, uma dica é usar um tom mais escuro, como o preto.

Outro truque é melhorar sua aparência. Para quem tem a pele pálida, tons de rosa, caramelo e cinza são perfeitos e, as morenas podem optar por tons quentes.  

Regras básicas da maquiagem dos olhos

Não importa se você está optando por uma maquiagem colorida ou neutra: as cores das sombras brancas, pretas e marrons combinam com tudo. Saber disso vai facilitar muito a sua vida.

Outra regra básica: Ao fazer degradês, comece pelos tons mais claros até os mais escuros. Se você não tiver certeza de qual cor usar, faça um gradiente com diferentes tons dentro da mesma cor. Dessa forma, as cores das sombras vão combinar umas com as outras e a maquiagem dos seus olhos ficará perfeita!

Combinação principal

Marrom e Loiro: Marrom é uma cor básica, então a graça dessa combinação está no dourado. Use tons metálicos para um efeito esfumado. Clássica e perfeita, essa maquiagem para os olhos permite que você brilhe na medida certa.

Degradê marrom: aposte nessa combinação ou dê mais ênfase ao marrom em sua vida cotidiana para a noite. Indicamos sempre começar com um tom nude no canto do olho, depois escurecer até realçar o seu exterior com o marrom.

Pretos e Metálicos: Destacamos que o preto é outra cor básica que combinado com tons metálicos, ele tende a deixar a maquiagem dos olhos deslumbrante.

As cores das sombras prateadas, cobre ou douradas são ideais para iluminar o olho interior. O preto fará a maquiagem de festa parecer mais sexy.

Paleta de cores favorita

A Zanphy tem uma linha de sombras incrível, a Eyeshadow Sextet HD está disponível em 6 cores de sombra, o HD Powder é composto por diversas micropartículas que criam um efeito óptico que uniformiza e suaviza a pele.

As Paletas Metallic Pack vêm em três versões diferentes para você brilhar. Cada um vem em 12 tons de sombra diferentes com o objetivo de combinar com você. Elas são cores ultra-pigmentadas e feitas com excelentes matérias-primas importadas de alta qualidade. A paleta também vem com pincéis especiais para aplicação.

Como usar o círculo cromático na maquiagem?

Se você é aquele que sempre usa camisas roxas e sempre acha que sua sombra também precisa ser roxa, então você vai gostar muito de brincar com a roda de cores em sua montagem.

Não há nada de errado em combinar a sombra, mas fazê-lo o tempo todo vai cansar você.

A roda de cores é uma ferramenta essencial ao desenhar cabelos, fotos e maquiagem.

Ao incorporar o núcleo em sua maquiagem, ele tende a servir de guia para combinar diversas cores, roupas e aplicar as sombras.

Basta usar sua criatividade e escolher a fonte de suas referências.

  • Cores Primárias: Azul, amarelo e vermelho estão presentes em todas as cores. Alternativamente, eles não podem ser divididos, mas se adicionados, outras cores são desenhadas.
  • Cores Secundárias: Esses núcleos combinam 2 núcleos primários, que resultará em outra cor. Como, por exemplo: VERDE (amarelo+azul), LARANJA (amarelo+vermelho) e VIOLETA (vermelho+azul).
  • CORES TERCIÁRIAS: Quando obtemos uma cor a partir de uma mistura de cores PRIMÁRIA + SECUNDÁRIA. São como o núcleo das nuances encontradas no círculo entre as cores primárias e secundárias. EX: Azul + Verde = Teal; Vermelho + Roxo = Rosa…

A roda de cores é usada em uma variedade de artes, como, por exemplo: design, arte, decoração, maquiagem, colorimetria de cabelo e tudo mais.

Com ele, você pode criar várias cores diferentes do círculo para destaques, efeitos monocromáticos e até tons neutros.

Os principais opostos no círculo usado ao lado são destaques e evidências.

Essas cores criam contraste se usadas lado a lado. Por exemplo, seja maquiagem ou roupas.

COMBINAÇÃO TRIÁDICA: É um conjunto de triângulos circulares de 3 núcleos com a mesma distância entre si. É uma tríade.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Certificado Cursos Online, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre cursos, educação e diversos segmentos.

 

Dicas para aprender o básico de espanhol em casa

Muitas pessoas querem aprender espanhol sozinhas. Porque? Além de ser a segunda língua mais falada ao redor do mundo, o espanhol é apontado como a língua estrangeira mais fácil de aprender, segundo os brasileiros. Portanto, se você quer aprender a falar espanhol, você deve necessariamente fazer um Curso de Espanhol.

Como começar a aprender espanhol?

É fácil aprender espanhol? Eu diria que sim! Pois, não se pode negar que há algumas semelhanças entre o português. Mas esta característica, à primeira vista, é o que torna esta língua estrangeira atrativa para os falantes de português, porém há diversas armadilhas. 

E qual é o perigo disso? O portunhol. 

O portunhol surge quando simplesmente se usa o sotaque espanhol dentro das palavras portuguesas, e diversas vezes, as pessoas pensam que estamos dominando a língua espanhola.

É aqui que muitos já aprenderam espanhol ou começaram o espanhol. Pessoas que fazem cursos de idiomas às vezes caem na armadilha.

Quer ver? Para você, nu significa sem roupa, certo? Na Argentina, nus são carecas!

Quando for preciso, não pergunte onde ‘bañero’ está! Em espanhol, “bañero” é um salva-vidas. “Baño” significa banheiro. Em outras palavras: para evitar pequenas confusões em espanhol, certo?

4 dicas para aprender espanhol sozinho

Com eles, o mais importante é que você aprenda espanhol de forma gratuita, e aprenda espanhol online dentro da sua casa! Portanto, aprenda a falar espanhol:

Use áudios!

Da mesma forma que acontece quando aprendemos a falar a nossa língua materna, ouvir deve ser o primeiro passo quando queremos aprender um novo idioma. 

Então, o que você diz em espanhol? Primeiro, exponha-se á sempre há os estímulos que são possíveis e ouça tudo o que puder em espanhol.

No Brasil, não estamos cercados por esse idioma como o inglês. Ainda há muitos recursos de áudio disponíveis para aprender o espanhol dentro da plataforma de Cursos Online, e você pode usá-los para desenvolver o seu idioma. Bastam alguns cliques, sem necessidade de frequentar um curso de línguas.

Comece navegando em nossa lista de podcasts espanhóis. Mesmo para quem está começando, opções como o Coffee Break Spanish são interessantes. Esta série de podcasts traz cursos de espanhol cada vez mais complexos! Em outras palavras, é um ótimo material para você ouvir e aprender espanhol! O YouTube também é um ótimo recurso para aprender canções espanholas. Se você não estiver familiarizado com ele, também pode conferir a série MosaSeries em espanhol, que é uma série de 27 episódios criada pelo próprio MosaLingua, adequada para quem deseja melhorar seu conhecimento oral do espanhol! Portanto, seus ouvidos gradualmente se acostumaram à voz espanhola.

Vocabulário

Quando os bebês ouvem seus pais, eles vão imitar e começar a falar, certo? Aprender é natural, então o segundo passo para aprender espanhol por conta própria é investir no aprendizado de palavras e expandir seu vocabulário em espanhol. Por esse motivo, não posso recomendar um recurso melhor para aprender espanhol do que o aplicativo MosaLingua. Se você ainda não fez o download, execute-o! Você pode usar a versão lite do aplicativo para aprender espanhol gratuitamente.

Com o objetivo de lhe ajudar a dominar o vocabulário do idioma, assim como em um curso de espanhol, o aplicativo tem a função de lhe ajudar a sempre a praticar:

  • Compreensão oral, ouvindo tudo que é falado por professores falantes de espanhol;
  • Pronúncia, grave sua voz e compare sua ficha com a do professor de línguas;
  • Redação, exercícios sugeridos pelo aplicativo.

Consuma cultura e entretenimento em espanhol

Se você quer aprender espanhol com facilidade, saiba que a música pode ser uma super aliada! Indicamos que você faça uma playlist de músicas em espanhol no YouTube e no Spotify.

Você deve ter um bom dicionário de espanhol. Pois, é muito importante para o seu vocabulário continuar a crescer.

Insira o idioma que você está aprendendo no dia a dia. Esta é uma das maneiras mais inteligentes de aprender ou acelerar o aprendizado. Afinal, se ler ou assistir filmes é uma atividade que você gosta de fazer, coloque os dois juntos. Escolha um livro ou filme em espanhol e use esses materiais para aprender a falar espanhol.

Em outro artigo, você descobrirá as verdadeiras joias do cinema latino-americano e espanhol. Se você está aprendendo espanhol e assina um serviço de streaming, com certeza encontrará bons títulos em espanhol. Por exemplo, no Netflix, certifique-se de verificar:

  • histórias chinesas e
  • Elefante Branco, com o ator Ricardo Darín;
  • Sobre minha mãe e
  • Ata-me, do famoso diretor espanhol Pedro Almodóvar; e comédia
  • A la Mala (México) e
  • Oito sobrenomes bascos (espanhol)

Encontre um parceiro de conversação

Sua escolha é sempre aprender espanhol sozinho. Porém, depois de estabelecer uma certa base de vocabulário, é hora de começar a falar. Busque sempre superar o medo de falar, pois esse medo é muitas vezes um dos maiores desafios ao aprender uma língua estrangeira. Mas esse também é o maior ganho nesse processo. Portanto, para aprender a falar espanhol, sempre deixe a vergonha de lado e comece a trabalhar.

Primeiro, baixe o Guia de conversação em espanhol do MosaLingua gratuitamente. Neste e-book de 83 páginas, você pode acessar mais de 1.000 palavras e frases em espanhol. Eles traduzem a tradução para o português e a organizam por frequência de uso: do mais útil ao mais específico. O conteúdo deste guia será especialmente útil se você planeja viajar para um país de língua espanhola.

Mas se o seu plano de curto prazo não inclui viagens, isso não será uma desculpa para não começar a falar espanhol. 

Durante esse artigo, apontamos para as melhores dicas para aprender espanhol online e conversar com falantes nativos de espanhol. Esses sites funcionam tão bem que existem muitas opções disponíveis hoje. Eles se propuseram a criar uma espécie de comunidade em que as pessoas se ajudassem e compartilhassem conhecimentos gratuitamente.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Certificado Cursos Online, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre cursos, educação e diversos segmentos.

Sapatos Oxford: sua história fascinante e curiosidades interessantes

Sapatos Oxford

Os sapatos Oxford foram transformados de um par de calçados ingleses da moda para estudantes em um item que não deve faltar no guarda-roupa de nenhum homem hoje.

Descubra tudo sobre sapatos que podem trazer elegância a qualquer look masculino, desde quantos tipos de sapatos Oxford existem até curiosidades sobre sua procedência.

O que são sapatos oxford e qual é a sua origem?

A história dos sapatos Oxford remonta a mais de dois séculos. Eles podem ser facilmente reconhecidos graças ao tamanho clássico do sapato. A sua característica distintiva são os atacadores na parte superior do sapato, que são muito próximos uns dos outros.

Existem muitos modelos de sapatos Oxford, e pela primeira vez eles foram usados ​​na Escócia e na Irlanda na forma de uma bota masculina chamada Oxonian. No entanto, foram os alunos da Universidade de Oxford que popularizaram esse tipo de sapato, a moda então se espalhou por toda a Europa.

Tipos de sapatos Oxford

Atualmente, existem vários tipos de sapatos Oxford, cada um de acordo com um determinado estilo de roupa. Diremos abaixo quais sapatos usar dependendo do tipo de roupa escolhida e das particularidades de cada modelo de sapato.

1. Sapatos Oxford Integrais

Você pode reconhecer este tipo de sapato Oxford pelo fato de fechar com a ajuda da renda e não ter outros cortes ou costuras.

É um modelo de sapato muito elegante, na maioria das vezes feito de couro envernizado, em tons escuros de marrom ou preto. Os sapatos Oxford Wholecut são perfeitos para ir a um evento especial e usar um terno estiloso.

2. Sapatos Oxford Cap-Toe

Esse modelo de sapato social pode ser reconhecido pelo fato de possuir várias costuras estrategicamente posicionadas e ser ideal para reuniões de negócios ou trabalhos corporativos. A costura reta destaca a biqueira do sapato, mas também a parte onde os cadarços são presos por outra costura igualmente harmoniosa.

3. Sapatos Oxford Simples

Os sapatos Oxford Plain-Toe diferem do Cap-Toe pela falta de uma costura que separa a biqueira do sapato do resto de sua estrutura. Sua principal característica é a existência de um medalhão formado por perfuração na parte superior do sapato.

Eles são adequados para eventos menos formais e podem ser adaptados a roupas casuais de negócios. A existência de furos decorativos diminui a elegância de qualquer tipo de sapato.

4. Sapatos Oxford Wing-Tip

A principal característica do modelo Oxford Wing-Tip são as múltiplas costuras em toda a estrutura do sapato. Ao contrário do modelo Cap-Toe, a costura não é mais reta, mas em forma de W.

Esse tipo de sapato também combina vários elementos específicos, incluindo o medalhão encontrado no sapato Oxford Plain-Toe. No entanto, aqui o medalhão de perfuração está no topo do sapato e não no topo.

5. Sapatos Oxford

É talvez o modelo mais informal de calçado Oxford e difere dos demais pela cor. O modelo tem a combinação de duas cores complementares ou opostas, sendo que a sola do sapato e a zona do cadarço também se diferenciam do resto do sapato por vários pontos e cores diferentes. O nome “sela” refere-se à cor predominante do sapato, que tem o formato de uma sela.

6. Sapatos Oxford U-Caps

Semelhante aos sapatos Wing-Tip Oxford, este modelo tem uma costura que destaca a biqueira do sapato, a diferença é o seu formato em U, ao contrário do W.

Além disso, os sapatos U-Caps Oxford são desprovidos desse medalhão composto por não são muito comuns em roupas masculinas. No entanto, se você gosta de prestar atenção em cada detalhe, esse tipo de costura moderna pode ser ideal para você.

Curiosidades fascinantes sobre os sapatos Oxford

A história do calçado Oxford é longa e passou por muitas evoluções para assumir a forma que encontramos hoje.

Identificamos algumas curiosidades sobre os sapatos Oxford que podem te ajudar a entender melhor de onde eles vêm e como evoluíram esteticamente. Os sapatos Oxford também estão disponíveis em modelos femininos em uma variedade de formas e cores.

1. A origem do nome está relacionada com a famosa universidade

Estudantes da Universidade de Oxford no final de 1800 são os responsáveis ​​pela popularização desse tipo de calçado. Os sapatos surgiram como resposta à obrigação de usar botas masculinas desconfortáveis.

Então, eles evoluíram de um padrão de gelo que tinha costuras em ambos os lados e depois se transformou em rendas.

2. Sapatos Oxford têm influências escocesas e irlandesas

Outra versão da história dos sapatos diz que essa moda realmente se originou na Irlanda e na Escócia, também em 1800. As botas usadas pelos homens naquela época eram chamadas de “sapatos Balmoral”, em homenagem a um dos castelos da rainha da Grã-Bretanha . Na França, os sapatos Oxford também são chamados de “sapatos Richelieu”.

3. Os sapatos Oxford foram inspirados nos sapatos Oxonian

Os sapatos Oxonian foram criados por estudantes da Universidade de Oxford com o desejo de usar calçados mais confortáveis ​​durante as atividades acadêmicas.

O salto era mais alto e as costuras eram feitas na lateral. Com o tempo, esse tipo de calçado elegante se transformou nos sapatos Oxford que conhecemos hoje.

Em nosso site vocca.com.br/ você encontra dezenas de modelos de sapatos Oxford disponíveis, adequados para qualquer tipo de roupa ou estilo de roupa. Descubra tudo sobre sapatos nos nossos artigos e teste-os quando encontrar o par perfeito!

Como não ter problemas bucais e manter a saúde bucal em dia

problemas bucais

Ter uma saúde bucal é fundamental para garantir nossa saúde no geral, os problemas bucais interferem diretamente nossa saúde física. Alguns cuidados ajudam a manter uma boca saudável como aderir a um plano odontológico.

E além do cuidado profissional, existem alguns mais simples e fáceis de serem seguidos que você já pode começar a fazer para garantir uma boa saúde de sua boca. Separamos neste texto os principais para te ajudar nesta tarefa.

Principais formas de manter a saúde da boca em dia e acabar com os problemas bucais

Manter a saúde bucal depende de alguns cuidados que são de nossa responsabilidade, e precisam se tornar hábitos de nossa rotina diária. Separamos alguns destes hábitos que precisam começar a ser tomados o quanto antes.

Lembre-se de escovar os dentes sempre

Essa parece ser uma dica boba, mas é muito importante e que precisa ser levada em conta e ter seu devido reconhecimento. As escovações devem acontecer após cada refeição, no mínimo três vezes ao dia.

A escovação é fundamental para garantir que a higienização da boca aconteça de forma correta e evitar a aglomeração de bactérias e sujeiras na boca.

Use também produtos que auxiliem nesta tarefa

Outro cuidado que você deve ter é quanto ao uso de produtos que auxiliem na escovação, como a escova comum não consegue alcançar todos os cantos da boca, você vai precisar de ajuda na hora de fazer sua limpeza.

E para isso já existem atualmente os fios dentais e enxaguantes bucais que conseguem alcançar esses lugares que a escova não vai.

Tome bastante água

Outra dica muito boa não somente para garantir a saúde da boca, como também a saúde do corpo é a de se manter hidratado. A água é muito importante para todo o nosso corpo e para mantê-lo em bom funcionamento é preciso tomar a quantidade de água correta.

Ela é a responsável por ajudar na produção de saliva na boca, o que previne muitas doenças bucais. Além disso, ela é importante porque ajuda a neutralizar a quantidade de ácidos presentes na boca, que podem ser a causa de problemas bucais graves com infecções na boca.

Tenha uma alimentação saudável

Uma alimentação saudável é a base para garantir a saúde de qualquer parte de nosso corpo, e com a saúde bucal não é diferente. Maus hábitos alimentares podem causar sérios problemas bucais.

Vamos trazer aqui alguns exemplos de alimentos que podem ser prejudiciais à saúde de nossa boca.

Frutas ácidas: Essas devem ser consumidas moderadamente, pois quando em excesso podem causar a erosão ácida dos dentes. No entanto, a acidez presente nelas pode contribuir para a saúde da boca e promover uma autolimpeza dos dentes.

Café adoçado com açúcar: O café por si só já é bastante prejudicial à saúde, ele é um alimento muito pigmentado e pode causar o escurecimento e manchas nos dentes. E se torna ainda mais prejudicial quando se trata do café com açúcar por propiciar o surgimento das bactérias na boca.

Frutas secas: As frutas secas por possuírem pouca quantidade de água, são alimentos que propiciam o surgimento de cáries e dificultam a mastigação deles, além de contribuir com a sensibilidade dentária.

Alimentos em conserva: Estes alimentos são legumes mantidos em conserva a base de ácidos, estes que como mencionamos são prejudiciais à saúde bucal.

Refrigerantes: Os refrigerantes são outro exemplo de alimentos que possuem altos níveis de açúcares e conservantes que são o motivo de serem prejudiciais à saúde da boca.

Troque sua escova

E mais uma dica muito importante, você deve trocar sua escova de tempos em tempos, o recomendado é que aconteça de três em três meses. A escova é um lugar propício para a proliferação de bactérias.

E ao deixar de trocá-la você só aumenta ainda mais essa proliferação, e assim ao fazer sua escovação você vai estar levando as bactérias para dentro de sua boca ao invés de eliminá-las.

Escove também a língua

E além de ter todos estes cuidados com a boca, você precisa cuidar da língua também, que muitas vezes acaba sendo esquecida durante a higienização bucal. Lave bem a língua para garantir que os restos de comida que ficam nela sejam eliminados.

Escove os dentes antes de dormir

Escovar os dentes antes de dormir é fundamental para manter uma boa higienização da boca. Quando dormimos a produção de saliva em nossa boca diminui, o que a torna um bom local para a proliferação de bactérias, por isso é bom o mantermos limpo antes de dormir.

Evite hábitos que prejudiquem a boca

Alguns hábitos que infelizmente são bem comuns, podem prejudicar tanto a saúde do corpo quanto a saúde bucal.

O consumo de cigarro e bebida alcoólica por se tornarem um vício e passarem a acontecer de forma recorrente podem destruir o esmalte dos dentes e provocar o surgimento de bactérias na boca.

Para que serve a pomada hidroquinona? Descubra!

Para que serve a pomada hidroquinona

Se você tem problemas de manchas na pele, provavelmente já deve ter pesquisado para que serve a pomada hidroquinona, não é mesmo?

A hidroquinona é indicada para o clareamento progressivo de manchas, como melasmas, por exemplo, e em outras condições cutâneas causadas por uma produção excessiva de melanina.

No mercado, você pode encontrar a hidroquinona com vários nomes, como Vitacid Plus, Solaquin, entre outros.

Para tirar todas as suas dúvidas sobre a pomada hidroquinona, reunimos aqui as dúvidas mais frequentes!

Para que serve a pomada hidroquinona?

Para responder à pergunta para que serve a pomada hidroquinona, é um produto disponível em creme ou gel indicado para:

  • Clareamento gradual de manchas, como melasmas, sardas, melanoses solares;
  • Tratar condições onde ocorrem hiperpigmentação cutânea, decorrente da produção excessiva de melanina;
  • Cicatrizes de acne;
  • Marcas pós-inflamatórias de eczema ou psoríase.

Vale saber que a melanina é um pigmento presente na pele. Algumas coisas, como a gravidez  e exposição solar, podem provocar uma superprodução de melanina, causando assim melasmas e sardas.

Embora não seja nocivo para a saúde, algumas pessoas não gostam muito do escurecimento da pele, e assim, consultam um dermatologista para tratar.

Dessa forma, a hidroquinona pode ser prescrita para a superpigmentação, porque ela reduz a quantidade de melanócitos na pele, que são os responsáveis pela produção de melanina.

Como usar a hidroquinona?

Aplicar uma fina camada de hidroquinona na área a ser tratada, duas vezes ao dia, de manhã e antes de dormir, ou a critério de seu dermatologista.

Para que o produto seja bem absorvido, faça uma massagem suave na pele, e em seguida, lave bem as mãos para evitar que a hidroquinona entre em contato com outras partes da pele ou mesmo manche roupas.

Durante o tratamento, o paciente deve evitar a exposição solar, pois pode piorar a mancha.

Após o procedimento, recomenda-se usar protetor solar, a fim de prevenir a repigmentação das áreas da pele tratadas, e claro, usar um bom hidratante para reduzir o ressecamento da pele.

Quanto tempo leva para fazer efeito a hidroquinona?

Em primeiro lugar, a hidroquinona age como um substrato da enzima tirosinase, que inibe a produção de melanina, pigmento responsável por fornecer coloração à pele.

Assim, ao reduzir a produção de melanina, isso promove o clareamento da pele.

Quanto ao tempo que leva para fazer efeito, geralmente em 4 semanas, é possível ver os efeitos da hidroquinona, no entanto, existem casos que podem demorar até alguns meses.

Porém, é recomendável fazer uma pausa de 60 dias na aplicação a cada dois meses de uso, para evitar irritações.

Quem não pode usar hidroquinona?

Existem condições onde é contraindicado o uso de hidroquinona, entre as quais podemos destacar:

  • Pessoas com hipersensibilidade à hidroquinona ou a qualquer componente da fórmula;
  • Não pode ser aplicado em grandes áreas do corpo;
  • Não pode ser usado em pele irritada e em queimaduras solares;
  • Contraindicada para o clareamento de cílios e supercílios;
  • Mulheres grávidas não podem usar o produto sem orientação médica;
  • Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos.

Além disso, alguns estudos mostram que não deve ser usada em pessoas com insuficiência hepática ou renal, pois pode piorar o quadro.

Quais as reações adversas da hidroquinona?

As reações adversas mais frequentes incluem:

  • Eritema;
  • Sensação de queimação;
  • Dermatite de contato;
  • Coceira;
  • Vermelhidão passageira.

Embora mais raramente, podem ocorrer manchas marrons nas unhas.

Se você notar alguma reação diferente, vale informar ao seu médico dermatologista, pois talvez ele faça um ajuste ou mesmo substitua o medicamento.

Para avaliar se você apresenta uma hipersensibilidade ao produto, sugere-se aplicá-lo em uma pequena área da pele, por exemplo, na dobra do cotovelo, durante 24 horas.

Caso apareça uma vermelhidão no local ou área próxima, é melhor evitar, especialmente se ocorrerem prurido, inflamação ou formação de bolhas.

Saiba aqui também: Cirurgia plástica nas costas: tipos e como funciona?

Conclusão

Assim como qualquer produto para pele, e não é diferente quando o assunto é para que serve a pomada hidroquinona, é essencial consultar um médico especialista em dermatologia.

Dessa forma, ele pode avaliar seu caso e indicar o tratamento mais adequado.

Atrações únicas na Europa: o que fazer

Visitar a Europa é um sonho de 9 entre 10 pessoas. E o continente é muito diverso, e não se resume a apenas ver o Big Ben, em Londres. Se você acha que as atrações da Europa se resume apenas ao Coliseu, em Roma, Itália e a Torre Eiffel, em Paris, França vem comigo nesse post e descubra lugares originais, dotados de muita personalidade, charme e aventura.

1. Faça uma road trip de inspiração gastronômica por Portugal

Há muito para ver e comer em Portugal, desde saborear e sentir o cheiro delicioso das  tortas de nata em Belém até beber e degustar vinho do Porto no Porto e degustar as refeições de frango piri piri a 10 euros nos melhores restaurantes pelas ruas de Lisboa

Mas a boa notícia? No pequeno país europeu, é fácil pular de uma cidade para outra em questão de horas. Alugue um carro e guie-se ao longo da costa – as lojas de frutos do mar à beira da estrada perto da Comporta são outra parada obrigatória – em uma viagem inspirada em comida e bebida.

 (No final de tudo, certifique-se de estocar peixe enlatado, como sardinhas embebidas em azeite, para levar para casa.)

2. Pegue uma balsa ao longo da Costa Amalfitana, Itália

Uma ótima alternativa para o passeio sinuoso, a balsa leva você ao longo da rota mais lenta e cênica, com um assento na primeira fila para a espetacular costa de Amalfi. 

Dependendo de onde você estiver hospedado, o melhor lugar para começar é na própria cidade de Amalfi, onde você pode descer da balsa para almoçar em Positano e depois subir novamente para passear e nadar na ilha de Capri, antes de retornar de volta a Amalfi.

Veja aqui alguns dos principais municípios e comunas da Costa Amalfitana: Em primeiro lugar é Positano, logo depois vem Amalfi, e em terceiro e quarto lugar Ravello e Maiori e por último Cetara.

Importante destacar é que existem também inúmeros vilarejos pequenos e pitorescos pelo entorno. Um mais fofo e charmoso que o outro. É a coisa mais linda e cinematográfica. 

Outra dica que não pode deixar de falar é: Não deixe de visitar os municípios de Sorrento e Salerno, combinado? Ah, e claro, não esqueça de visitar a cara, linda e famosa Ilha de Capri. Mais glamour impossível.

3. Tenha M’dina, em Malta só para você à noite

Entre Gozo e Valletta, há motivos de sobra para ficar nas costas de Malta. Mas o local mais encantador em qualquer lugar nesta ilha mediterrânea é bem no meio da cidade murada de M’dina. Fundada pelos fenícios, depois conquistada pelos romanos, é um labirinto de passagens secretas, palácios e portas escondidas. Visite à noite, quando as multidões remanescentes do dia retornam às margens, e toda a vila de pedra é banhada por uma luz suave. As ruas de pedestres estão silenciosas, as praças estão vazias e você quase pode sentir as centenas de anos de história ao seu redor.

4. Faça um tour pela cidade subterrânea de Roma (ainda mais antiga)

Quando você está andando pelas ruínas do Fórum, ou do Coliseu do outro lado, é difícil imaginar que Roma tem outra cidade escondida abaixo. Mas desça ao subsolo para ver ruínas romanas menos conhecidas, como o Estádio de Domiciano e o Templo de Adriano. Mesmo que você não goste de passeios históricos, navegar pelos corredores escuros, antigos e mal iluminados vale o preço do ingresso. Vários operadores, como a Context Travel, oferecem visitas guiadas.

5. Visite a Torre de Londres

O derramamento de sangue! 

As decapitações!

 A Torre de Londres é um local favorito em toda a Europa – e você não precisa ser um geek da história medieval  para ficar totalmente impressionado com ela. Isso se deve em parte aos Beefeaters, que dão os passeios e guardam os terrenos: eles são uma enciclopédia de conhecimento sobre todos os acontecimentos desta histórica fortaleza, entregues com a clássica sagacidade britânica que o deixarão totalmente encantado, mesmo ao examinar os picos que uma vez exibiu cabeças humanas perto das celas da prisão. Medonho!!!

6. Faça um passeio de pedalinho no Lago Annecy

Localizado em uma pitoresca cidade francesa aparentemente tirada de um filme da Disney, o Lago Annecy é o terceiro maior lago da França e uma visita obrigatória. Explore a água cristalina em um pedalinho, que você pode alugar de um vendedor local nas margens, e pedale para apreciar as vistas deslumbrantes. Depois, não deixe de explorar a cidade de Annecy e passear pelas ruas de paralelepípedos e pelos canais sinuosos.

7. Coma um sanduíche de falafel no L’As du Fallafel em Paris

Paris está cheia de comidas baratas mundialmente famosas, mas nada supera a satisfação de um sanduíche de falafel de L’As du Fallafel. Conhecida na internet (e entre estudantes universitários famintos) como a loja de falafel favorita de Lenny Kravitz, quase sempre há uma fila na rua nesta loja no Marais. Você tem sorte se conseguir um assento interno, mas sempre encontrará pessoas de pé, comendo esses sanduíches reconhecidamente bagunçados que são cobertos com homus, tahine, harissa, repolho roxo e muito mais. Obtenha o Fallafel Special, que vem com sua berinjela exclusiva.

Conclusão: Vale a pena visitar a Europa?

Com certeza simmmm! E vale muito! O continente europeu é um dos melhores lugares do mundo para passear e passar bons momentos por aqui.

Eu particularmente adoro. Você acabou de ver algumas das inúmeras atrações para se fazer na Europa.

Para ler mais sobre viagem e turismo na Europa, acesse, o blog da Elizabeth Werneck

Cirurgia plástica nas costas: tipos e como funciona?

cirurgia plástica nas costas

A cirurgia plástica nas costas é um dos procedimentos mais recorrentes por quem quer um corpo mais modelado e uma melhor estética corporal.

Conheça aqui seus tipos, como funcionam, seus benefícios e preço:

O que é cirurgia plástica nas costas?

A cirurgia plástica nas costas, mesmo não sendo uma das mais faladas, é um dos procedimentos mais feitos nas clínicas de estética.

O principal objetivo desse tipo de cirurgia é a remoção de gordura localizada na região, fazendo com que haja a remodelagem do corpo, melhorando a sua aparência e a autoestima do paciente.

Existem dois tipos de cirurgia plástica, que possuem tipos de abordagem e objetivos diferentes.

Lipoaspiração nas costas, o que é?

Muitas mulheres se incomodam com as famosas gordurinhas nas costas, comumente chamadas de “gordurinhas do sutiã”. Esses acúmulos de gordura geram muito incômodo principalmente em momentos como ao vestir um biquíni ou uma roupa com decote nas costas.

Buscando solucionar esse problema, a lipoaspiração nas costas é uma das indicações mais recorrentes. Essa cirurgia requer apenas uma anestesia local, tendo como objetivo principal modelar a cintura e fazer com que ela fique proporcional em relação ao restante do corpo.

A lipoaspiração também pode ser feita nos flancos, popularmente chamados de “pneuzinhos”, e que envolvem a parte inferior das costas. Por meio da remoção desse tecido adiposo, é possível perceber uma cintura mais fina, além de dá a impressão de que os glúteos são mais arredondados.

Contudo, é importante considerar que a realização desse procedimento é indicada apenas após a realização de dietas e exercícios específicos, uma vez que a pele da região é mais espessa. Dessa forma, considerado o risco de ganho de flacidez da região, comumente a técnica está associada ao procedimento de abdominoplastia.

Como é feita a lipoaspiração nas costas?

Considerando que toda cirurgia proporciona um forte impacto ao corpo, antes de ser iniciada a sessão, o cirurgião plástico irá encaminhar o paciente para a realização de vários exames médicos para a prevenção de complicações, tal como eletrocardiograma, hemograma, risco cirúrgico e raio-X do tórax.

No início da sessão, o cirurgião realiza a sedação com anestesia local, o que depende do tamanho da área a ser lipoaspirada e da quantidade de gordura a ser removida. Em meio a todo esse processo, pode-se ainda realizar a abordagem com sedativos para o paciente dormir durante o procedimento e não sentir qualquer desconforto.

Caso o paciente esteja acima do peso, por existir o acúmulo de pele no local, a realização de uma plástica associada à lipo é a melhor indicação.

LEIA SOBRE: Beleza natural: saiba como realçar a sua essência

torsoplastia

Torsoplastia, o que é?

A torsoplastia ou flancoplastia é uma cirurgia plástica feita nas costas ou flancos e que, por sua vez, se baseia na remoção de pele excessiva na parte inferior das costas, também chamada de região lombar.

Pela torsoplastia o paciente é capaz de se beneficiar pelo tratamento da flacidez da região dorsal (costas) e dos flancos, além de ser possível ser feita a correção de queda nos glúteos. Isso é possível graças à perda acentuada de gordura seguida de uma sobra considerável de pele no dorso, fazendo com que os glúteos apresentem aspecto caído.

Dessa forma, pela técnica há a remoção de uma faixa de pele do dorso, permitindo assim que a região fique esticada novamente, fazendo com que haja o levantamento e o bom posicionamento do bumbum.

Contudo, vale considerar que esse reposicionamento não corrige a flacidez muscular dos glúteos, nem sendo capaz de dar um maior volume à região, devendo o paciente recorrer a outro tipo de procedimento.

Outra questão a ser levada em conta é o fato da cirurgia não ser capaz de solucionar o problema da gordura localizada, atuando somente na remoção mínima de gordura. Isso considerando que não esse não é o seu principal objetivo, mas sim a remoção do excesso de pele.

Como funciona a torsoplastia?

A torsoplastia pode ser feita em dois tipos de abordagem diferentes, cada uma focada em uma necessidade diferente.

Enquanto a torsoplastia alta (toracoplastia) realiza a remoção do excesso de pele da parte superior das costas ou na lateral do tórax, a torsoplastia baixa (flancoplastia) realiza a correção da flacidez da parte inferior do dorso.

Para que seja feita a técnica, o cirurgião realiza uma incisão na parte de baixo das costas, perto das nádegas dos pacientes, removendo assim a faixa de pele e até mesmo eliminando um pouco de gordura.

O cirurgião, assim, acaba por esticar a pele das costas, sendo capaz de elevar levemente os glúteos. Depois da sutura, a região fica bem lisa, mas, diante de um grau alto de flacidez, pode ser necessário fazer incisões estratégicas na altura das costelas.

LEIA SOBRE: Benefícios de praticar atividades físicas com profissional

cirurgia plástica nas costas

Lipoaspiração ou torsoplastia, qual cirurgia plástica nas costas é melhor?

A melhor cirurgia plástica nas costas para você irá depender de seus objetivos e quais são as suas necessidades quanto ao procedimento.

Contudo a torsoplastia pode ser associada a lipoaspiração e vice-versa para um melhor efeito estético. Uma vez associadas, se evita a formação de dobras após a lipoaspiração, havendo a melhora do contorno das costas e a correção da flacidez.

Logo, é muito importante que haja a avaliação prévia do cirurgião plástico, para que o procedimento a ser feito seja planejado de acordo com as suas expectativas, alinhadas aos possíveis resultados.

Por fim, é nessa avaliação que é possível ser feito o orçamento da cirurgia. O valor médio de uma lipoaspiração fica entre R$ 15 mil e R$ 35 mil, já o da torsoplastia fica em torno de de R$ 37 mil a R$ 50 mil.

Fungo na unha: o que é?

A onicomicose é uma infecção que afeta uma ou mais unhas e é causada por um fungo; geralmente não é uma condição perigosa, mas é um problema desagradável que pode se tornar difícil de tratar, especialmente quando negligenciado.

Geralmente ocorre como uma mudança na cor e no formato da unha, que também tende a ficar mais grossa; quando o fungo se espalha mais profundamente sob a unha, pode causar manchas, espessamento que tendem a avançar para os lados – todos sintomas desagradáveis ​​e potencialmente dolorosos.

Pode afetar as unhas das mãos e dos pés, embora seja mais comum nos pés.  Os objetivos da cura são a erradicação da infecção e a recuperação do aspecto normal da unha.

Embora não represente risco de vida, a onicomicose é um problema de saúde significativo tanto pela disseminação significativa quanto pelas recaídas que pode causar nos pacientes, em termos de dor e possível impacto na vida profissional e social.

Um fungo de unha pode ser difícil de tratar e tende a se repetir, mas existem medicamentos disponíveis para ajudar a matá-lo, tanto por automedicação quanto por prescrição nos casos mais graves. 

1. O que causa o fungo?

Os fungos são microrganismos presentes no corpo humano que geralmente vivem em situação de equilíbrio; estas são formas de vida que proliferam em ambientes quentes e úmidos (na piscina), mas que normalmente não são capazes de atacar o organismo porque são mantidas sob controle pelo sistema imunológico.

Na presença de condições específicas, no entanto, podem assumir o controle e causar infecções, penetrando pequenos cortes na pele e aproveitando uma queda temporária nas defesas imunológicas do hospedeiro; nestas situações conseguem multiplicar-se de forma descontrolada provocando o aparecimento dos sintomas clássicos.

A onicomicose é frequentemente causada por um fungo que pertence ao grupo dos dermatófitos, mas leveduras e bolores também podem ser responsáveis ​​pela onicomicose.

A micose de unha ocorre com mais frequência nas unhas dos pés do que nas das mãos, pois elas são mais frequentemente confinadas a um ambiente escuro, quente e úmido dentro dos calçados femininos, condições ideais para favorecer a proliferação de infecções fúngicas.

Outro fator é o fato de que a circulação sanguínea direcionada para as unhas dos pés é menor do que a direcionada para as unhas, portanto, o reconhecimento e a eliminação da infecção pelo sistema imunológico são mais lentos e menos eficazes.

A infecção poderia teoricamente ser transmitida a outras pessoas, portanto, algumas precauções higiênicas são necessárias e pode haver risco de auto-inoculação, especialmente nas unhas próximas.

Fatores de risco

Os fatores de risco que podem aumentar a probabilidade de desenvolver fungos nas unhas são:

  • Idade avançada 
  • Desaceleração dos crescimento das unhas 
  • Queda fisiológica nas defesas imunológicas 
  • As mulheres são menos propensas a ter do que os homens 
  • Suor excessivo 
  • Trabalho em ambiente úmido 
  • Doença de pele
  • Uso de meias e sapatos que impeçam a transpiração e não absorvam o suor 
  • Andar descalço em ambientes úmidos, como piscinas, vestiários, chuveiros e academias. 
  • Pé de atleta 
  • Pequenas lesões nas unhas ou unhas ruins por conta de outra infecção 
  • Má higiene dos pés 
  • Diabetes
  • Problemas circulatórios 
  • Problemas que afetam o sistema imunológicos como HIV ou uso drogas

2. Os sintomas do fungo nas unhas

Um fungo de unha pode apresentar-se pouco claro nos estágios iniciais da infecção, mas depois os sintomas se tornam óbvios. Os sintomas mais comuns de onicomicose são unhas que:

  • Perdem sua cor natural, ficando brancas, pretas, amarelas e às vezes esverdeadas
  • Fica mais espessa
  • Perdem a forma natural e tornam-se difíceis de cortar 
  • Causa dor e desconforto, especialmente em caso de pressão
  • Tornam-se quebradiças e podendo perder pedaços inteiros 

Às vezes, a pele ao redor da unha também fica vermelha e inflamada, em alguns casos com coceira. Por fim, o aparecimento de maus odores é frequente.

No entanto, é preciso observar que os sintomas são comuns a muitas outras doenças e, por isso, os especialistas muitas vezes recorrem a exames aprofundados para um determinado diagnóstico e a prescrição de medicamentos certos.

3. Quando precisa chamar o médico 

Muitas vezes a infecção é reconhecida por um profissional de saúde. Para um especialista pode ser mais fácil identificá-la já nos estágios iniciais, quando também é mais fácil de tratar por ser reagir mais rápido às terapias.

Uma vez surgida a onicomicose, ela pode ficar por muito tempo se não for tratada; Consulte o seu médico imediatamente se notar os primeiros sintomas, que em muitos casos consistem em uma pequena mancha esbranquiçada ou amarelada na parte superior da unha.

4. O diagnóstico 

Geralmente o diagnóstico é feito apenas pelo exame médico, em alguns casos dúvidas pelo dermatologista.

Eventualmente é possível recorrer à análise da unha infectada, após ter colhido uma pequena amostra de forma indolor, para analisar o tipo de fungo e escolher a terapia mais adequada; a análise pode ser feita ao microscópio ou em laboratório.

5. A prevenção 

Para ajudar a prevenir fungos nas unhas e reduzir infecções recorrentes, não se esqueça das boas práticas de higiene das mãos e pés e siga estas dicas:

Mantenha as unhas curtas, secas e limpas. Corte-os em formato quadrado e lixe as áreas engrossadas. Seque bem as mãos e os pés, incluindo a pele entre os dedos, depois de tomar banho ou ducha.

Use sapatos de boa qualidade e meias de algodão, que permitam ao pé respirar e transpirar. Troque as meias com frequência, especialmente em caso de transpiração excessiva e, em qualquer caso, pelo menos uma vez por dia.

Se possível, tire os sapatos durante o dia e após o exercício.

Troque as sapatilhas femininas fechadas com as abertas. Não corte ou rasgue a pele ao redor das unhas. 

Se você fizer isso, permitirá que os germes penetrem na pele e nas unhas. Não ande descalço em locais públicos, sempre use sapatos quando estiver na piscina, nos chuveiros ou nos vestiários. 

Não use esmalte ou unhas postiças. Pode ser tentador esconder o fungo nas unhas sob uma camada de esmalte rosa bonito, mas isso pode reter a umidade e, assim, agravar a infecção.

Lave as mãos depois de tocar em uma unha infectada. Os fungos também podem infectar outras unhas. Não compartilhe toalhas e meias com outras pessoas.

Em caso de infecção do pé de atleta, trate imediatamente para evitar o risco de afetar a unha.